segunda-feira, setembro 21, 2015

O gênio da lâmpada

Eu admiro o conhecimento, acho fundamental para a vida das pessoas e essencial para o progresso da humanidade, no entanto, eu acho que tudo tem a sua hora. Tem gente que a todo momento quer demonstrar que é mais inteligente que a outra pessoa, ou dar uma aula fora de uma sala de aula. Nada contra o aprendizado, eu apenas penso que nem todo mundo está disposto a aprender coisas ou saber de algo muitas vezes desnecessário naquele momento.

Quando uma pessoa está por exemplo num parque de diversões, e tem aquele amigo que quer explicar a dinâmica física e a fricção que o carrinho faz na montanha russa na hora que desce a não sei quantos quilômetros por hora, provando as 3 leis dinâmicas, é desnecessário, a pessoa só quer que a fila enorme do brinquedo ande logo para chegar a vez dela.

A pessoa que fica o tempo inteiro querendo demonstrar que tem uma superioridade intelectual acaba ficando meio brega. Eu não estou dizendo que não devemos estudar e sermos sem conhecimento, apenas quero dizer que existe a hora para isso, hora de estudar e hora de lazer. A pessoa não precisa demonstrar toda hora que é um gênio, um gênio da lâmpada que precisa ser admirado e aplaudido de pé por saber isso ou aquilo.

O gênio da lâmpada geralmente é realmente muito inteligente, consegue até fazer umas pessoas se sentirem burras, só que isso não é legal, é fora de mão. Eu acho que a carreira ideal para esse tipo de pessoa é a acadêmica, nessa área, ela vai se sentir realmente realizada. Então nada de ficar querendo dar uma aula de astrofísica, e a origem dos 2 brilhos da lua no meio de um pique-nique num parque, é melhor reservar esse show de conhecimento para uma prova de vestibular ou então uma apresentação que vale nota, aí a pessoa vai brilhar muito e adequadamente. Essa só é a minha opinião.